25jan/17

Tratamento de sequelas neurológicas em cães, causadas por infecção pelo vírus da cinomose, através do transplante alogênico de células mononucleares de medula óssea

RESUMO

As seqüelas neurológicas da cinomose canina são consideradas irreversíveis e têm sido tratadas sintomaticamente, quando não há indicação de eutanásia, o que ocorre na maioria dos casos de seqüelas graves. Visando desenvolver uma nova abordagem terapêutica, testamos a injeção de células mononucleares de medula óssea alogeneicas extraídas de 5 cães doadores saudáveis, em 11 cães com seqüelas neurológicas com pré-diagnóstico de cinomose , sendo 7 com manifestações clínicas recentes e 4 com sinais clínicos crônicos. Dos 7 animais com seqüelas agudas ou recentes, 5 apresentaram remissão completa dos sinais clínicos e 2 melhora parcial e momentânea. Dos animais com sinais crônicos, 3 apresentaram melhora visível na primeira semana após o transplante, contudo, 2 deles, após curto período de estabilidade, apresentaram novamente os mesmos sinais clínicos vistos antes do transplante. Este protocolo mostrou-se bastante promissor para o tratamento de seqüelas neurológicas de cinomose canina.
Palavras-chave: Cinomose canina; células-tronco; desmielinização.

ABSTRACT

The neurologic sequels of canine distemper are currently considered irreversible, and are usually treated with palliative therapies when euthanasia is not recommended, what happens in the majority of severe cases. Aiming to develop a new therapeutic approach, we tested the systemic injection of allogeneic bone marrow mononuclear cells extracted from 5 healthy dogs, in 11 dogs with severe neurologic sequels with distemper previous diagnosis. 7 dogs had recent clinical manifestations and 4 had chronic signs. In the group of 7 animals with acute or recent sequels, 5 had complete remission of clinical signs and 2 had partial recovery. In the group with chronic sequels, 3 had visible recovery in the first week after transplantation, but 2 of them, after a short period of stability, presented again the same clinical signs seen before the transplantation. This protocol has demonstrated to be very promising for the treatment of neurologic sequels of canine distemper.
Keywords: Canine distemper; stem cell; demyelination.

25jan/17

Penectomia em Tartaruga-Mordedora (Chelydra serpentina Linnaeus, 1758) – Relato de caso

RESUMO

Um macho de tartaruga-mordedora (Chelydra serpentina), com cerca de 2 anos, foi encaminhado à uma clínica veterinária particular em São Paulo – SP, com histórico de prolapso de pênis há cerca de 48 horas, o qual foi submetido a penectomia. O pênis foi exposto e cada corpo cavernoso teve a hemostasia realizada com pinça hemostática Halsted. Realizou-se sutura cranial ao tecido necrosado dos corpos cavernosos com fio de sutura absorvível. A amputação foi realizada com lâmina de bisturi, removendo todo o órgão copulador. Foram realizadas suturas em pontos simples individuais na extremidade do coto antes de posicioná-lo no interior da cloaca, com fio de sutura absorvível, totalizando 4 pontos. Após 24 horas do procedimento cirúrgico, o animal já nadava, alimentava-se e defecava normalmente.
Palavras-chave: tartaruga-mordedora, Chelydra serpentina, penectomia.

ABSTRACT

TA male of common snapping turtle (Chelydra serpentina), with 2 years old, it was directed to the veterinary clinic, reporting prolapse of penis and was submitted to penectomy. The penis was exposed and each cavernous body had the hemostasy accomplished with hemostatic tweezers. We took place sutures cranial to the necrotic tissue of the cavernous bodies with absorble suture. The amputation was accomplished with bistoury blade, removing the whole copulator organ. Sutures were accomplished in individual simple points in the extremity of the stump, with absorble thread of suture, totaling 4 points. After 24 hours of the surgical procedure, the animal already swimed, fed and defecated.
Keywords: Common snaping turtle, Chelydra coil, penectomy

25jan/17

Avaliação do eletrocardiograma em cães e gatos neonatos

RESUMO

Embora a eletrocardiografia seja um método diagnóstico amplamente empregado na clínica médica de pequenos animais, a interpretação de traçados eletrocardiográficos registratos em pacientes neonatos ainda é desafiadora. Este problema deve-se, em parte, às diferenças anatomofisiológicas existentes entre indivíduos recém nacidos e adultos, além, é claro, da pouca disponibilidade de valores e padrões de referência para interpretação de tal exame em animais em crescimento. Assim, este estudo foi concebido para caracterizar o traçado eletrocardiográfico de cães e gatos neonatos e saudáveis, acompanhando-os do 1º ao 70º dia de vida. Os resultados evidenciaram diferenças na mensuração das ondas, bem como na morfologia do complexo QRS e eixo elétrico médio para ambas as espécies. Concluiu-se que a interpretação do eletrocardiograma do cão e gato neonato não deve se apoiar nos valores de referência preconizados para animais adultos, mas, pelo contrário, deve ser feita a partir de tabelas de referência construídas especificamente para a idade do paciente. Os dados oriundos desta pesquisa permitiram, ademais, determinar os intervalos de confiança de 95% para as variáveis eletrocardiográficas paramétricas em cães e gatos do 1º ao 70º dia de vida, os quais podem ser empregados como valores de referência em populações com distribuição normal.
Palavras-chave: Eletrofisiologia, cardiologia, cardiopatia, eletrocardiografia, pequenos animais

ABSTRACT

Although the electrocardiogram is a widely used diagnostic method in the small animal practice, the interpretation of electrocardiographic tracings recorded from newborn patients is challenging. This problem is partially attributable to the differences in the anatomy and physiology of newborn and adult subjects, besides, of course, the little availability of reference ranges and patterns for the interpretation of this exam in growing animals. Therefore, this investigation was conceived to characterize the electrocardiogram of healthy newborn dogs and cats from their 1st to 70th day of age. Differences were documented in the measurement of waves, as well as in the QRS complex morphology and mean electrical axis for both species. It was concluded that the interpretation of the electrocardiogram of newborn dogs and cats should not rely on adult values, but, on the contrary, should be done against age-designed reference ranges. Also, the results of this study allowed determining the 95% confidence intervals for the parametric variables of the electrocardiogram in dogs and cats from the 1st to 70th day of age, which may be used as reference ranges in populations with a Gaussian distribution.
Keywords: Electrophysiology, cardiology, cardiopathy, electrocardiography, small animals