05out/15

Fentanil ou remifentanil em cães? Prós e contras, qual escolher e como usar – Revisão de Literatura

RESUMO

O fentanil e o remifentanil são opióides sintéticos, pertencentes ao grupo das fenilpiperidinas e são agonistas seletivos para receptores μ. Possuem alta potência analgésica, com ação de ultra-curta duração. O remifentanil difere do fentanil principalmente por possuir características farmacocinéticas únicas, sendo ideal para o uso em infusões contínuas prolongadas. Esses fármacos estão indicados para uso sob a forma de infusão intravenosa contínua para promover analgesia no período intra-operatório, além de possibilitarem a redução da concentração alveolar mínima dos anestésicos inalatórios. Assim como os demais opióides, o fentanil e remifentanil causam efeitos adversos como bradicardia e depressão respiratória, sendo indicada a ventilação artificial quando associados aos anestésicos gerais. Devido ao curto período de ação desses fármacos, há necessidade de suplementação analgésica após o término da infusão, com o intuito de promover analgesia pós-operatória. O uso do remifentanil pode ser vantajoso em relação ao fentanil em procedimentos que requeiram infusões prolongadas, em pacientes hepatopatas e nefropatas e em outras situações que necessitem de recuperação anestésica rápida, enquanto sua principal desvantagem está relacionada ao alto custo em relação ao fentanil.
Palavras-chave: opioides, farmacocinética, farmacodinâmica.

ABSTRACT

Fentanyl and remifentanil are synthetic opioids which belong to the phenylpiperidine group and are selective agonists for μ receptors. They are potent ultra short-acting opioids. Remifentanil differs from fentanyl mainly by its unique pharmacokinetic profile, which favors its use in prolonged continuous infusions. These drugs are indicated for use as intravenous constant rate infusion to provide intraoperative analgesia and also to decrease the minimum alveolar concentration of inhalational anesthetics. Like other opioids, fentanyl and remifentanil cause adverse effects such as bradycardia and respiratory depression. Artificial ventilation is recommended when it’s administered in combination with general anesthetics. Due to the short duration of action of these drugs, analgesic supplementation after discontinuation of the infusion is necessary to provide postoperative analgesia. The use of remifentanil may be advantageous over fentanyl in procedures requiring prolonged infusions, in patients with liver or kidney disease and for other occasions which require fast recovery from anesthesia, where as the disadvantage is the high cost compared to fentanyl.
Keywords: opioids, pharmacokinetics, pharmacodynamics.

03jul/15

Jejum Pré-anestésico: Qual o Período Ideal?

RESUMO

Recentemente, muitos estudos têm questionado o período ideal de jejum pré-anestésico, a fim de que não se comprometa o conforto do paciente e não sejam elevados os riscos transoperatórios, sobretudo o risco da regurgitação gastroesofágica (RGE) e a possível pneumonia aspirativa. Este trabalho de revisão tem como objetivo salientar as principais causas de regurgitação transanestésica, assim como discutir os regimes adotados no jejum pré-anestésico.
PALAVRAS-CHAVE: Jejum; Refluxo gastroesofágico/veterinária; Anestesia.

ABSTRACT

Recently, several studies have questioned what would be the ideal period of pre-operative fasting, in order to preserve the well-being of the patient and decrease the likelihood of gastroesophageal reflux and aspiration pneumonia during the intraoperative period. This review article highlights the main causes of regurgitation and discusses several protocols of preoperative fasting.
KEYWORDS: Fasting; Gastroesophageal reflux/veterinary; Anaesthesia.